22.9.09

"À la Minuta"

«À tua memória Ti Manel, fotógrafo «à la minuta»


O meu Tio Manuel, era um dos fotógrafos que faziam do Passeio Alegre o seu poiso natural e ali tirava fotos «à la minuta» aos veraneantes. Ia muitas vezes até à Figueira da Foz e o seu calcorrear levou-o até às praias de Luanda onde era muito solicitado.

Foi sempre um homem com uma cultura acima da média e dele ouvia dizer que a Póvoa tinha 17 Igrejas e uma escola. Para bom entendedor meia-palavra basta. Muitas vezes o vi a tirar fotos no Passeio Alegre e a ele dedico este meu texto, pois fazia-me confusão na época, como é que ele metendo a cabeça dentro de um pano fazia surgir como magia pessoas impressas num papel. Este texto é como voltasse a ser essa criança e ver o meu Tio de novo junto à estátua do «Cego do Maio» a tirar uma fotografia «à la minuta».

  Na minha terra há lá umas pessoas que tiram umas fotografias às pessoas que lá vão passar o verão. É muito giro. Parece uma caixa de sabão e tem um pano preto num dos lados. As pessoas que tiram as fotografias colocam a cabeça dentro dela. Não sei a razão mas tenho a impressão que é para ver as pessoas de pernas para o ar... são uns marotos!

Ósdepois tiram a cabeça lá de dentro, olham para as pessoas e dizem: «Olhó passarinho»!

Uma vez vi uma cena muita gira, quando a pessoa que tira as fotografias disse «Olhó passarinho», o puto que ia ficar na fotografia começou a olhar à volta para ver onde estava o raio do passarinho e depois viu uma série deles com o tabefe que o pai lhe deu. Isso não se faz, bater assim nas crianças!

Depois a pessoa que tira fotografias, tira de lá de dentro uma cartolina branca com as pessoas brancas com cor preta, coloca a foto de pernas para o ar em frente à câmara e volta a dar um «click» numa coisa que tem na mão. Palavra que não percebo por que razão tem tanto trabalho, mas sou sapateiro no assunto.

Assim, quem os quiser ver, pode ir até ao Passeio Alegre na Póvoa de Varzim, onde, de vez em quando, aparecem ainda estes fotógrafos "à la minuta”. É um regalo verificar que a tradição ainda é o que era.


Foto: eu e a minha mulher tirada na minha terra em julho de 2005



09-05-2005

5.8.09

Os pequenos lobos do Mar

Morando na casa dos meus avós na “Ilha do Padre”, entre a Rua António Silveira e a do Cego do Maio, com o mar por tão perto, sempre que se podia, lá ia eu mais os meus irmãos, até ao porto de pesca para uns banhos naquelas águas enquanto ao lado as mulheres iam varando os barcos dos pescadores, os homens de cigarro ou cachimbo cozendo as redes, a garotada dando mergulhos numa algazarra própria da idade enquanto o argaço secava ao sol.


Foto da net

Naquele mar brincávamos com botes de folheta, no cais, quando a maré estava vaza, procurávamos pequenos peixes, lapas, caranguejos e pequenos polvos. A “Boca do Lobo”, que fazia a ligação entre o porto e a praia de banhos, era assustadora, mas nós éramos uns pequenos lobos do mar, embora ninguém da nossa família directa fosse pescador, só por casamento, fazíamos do mar o nosso poiso.

A arraia miúda poveira tinha o costume de se atirar ao mar completamente nus. Depois deitavam-se na praia, aconchegavam ao peito a areia e ali ficavam aquecendo ao sol os corpos.


Foto Studio (autor David Augusto Fernandes)

Um dia, mais uma vez, vou com os meus irmãos até à praia. Lá chegados há que retirar a roupa, primeiro os calções, a camisa e mais junto ao mar o resto, e ala um mergulho no mar.

Naquela época usávamos cuecas de pano cru, bem ásperas, com dois botões para a apertar (muitas vezes esses botões lá iam no jogo da “pincha” (botão), mas isso são outras histórias).

Aconteceu é que mergulho atrás de mergulho, correrias e brincadeiras, quando chegou a hora de virmos embora a minha cueca tinha desaparecido. De tão perto da água ficara que uma onda mais afoita levou-a.

A minha aflição foi como explicar isto à minha avó. Iria lá acreditar que o mar a tinha “engolido”!...

Tantos anos passados, não me lembro da reacção dela, mas se não me lembro é porque a minha avó acreditou na história, e com os meus irmãos a apoiar não iria duvidar. É que esses tempos eram de parcas posses, e umas cuecas, mesmo de pano cru, custavam dinheiro.

Os tempos de hoje são outros, não sei se os pequenos lobos do mar ainda tomam banho nus naquela praia do porto de pesca. Se sim, que um deles dê um mergulho por mim como se o hoje fosse ontem!

Fotos da net, montagem Marius70

Ala-Arriba pela Póvoa!

18.3.09

Aver-O-Mar

Dedico este tema ao amigo Manuel Lopes de Aver-O-Mar

  Já aqui escrevi sobre a minha Escola Primária sita na Rua Tenente Valadim. Hoje não é mais do que uma sombra daquilo que foi. Às gargalhadas das crianças que lá aprenderam responde o silêncio dos fantasmas que lá vagueiam.


  Excepto do amigo Fernando que morava na “Vila Aurora”, não me lembro de mais nenhum colega que comigo andou nessa escola. Sei que um deles era de Aver-o-Mar.


  Um dia fui até lá convidado pelos pais para almoçar em casa deles. Foi a primeira vez que andei de carroça. Os pais não estavam ligados ao mar mas sim à agricultura. Isso porque as memórias que tenho era de uma casa bem afastada do mar e de ver campos lavrados.


  No antigamente Aver-o-Mar ficava “distante” da Póvoa. Os trajectos eram feitos de carroça ou a pé e parecia que o perto era longe. Hoje, com o crescimento do Bairro Norte, com a população que não dispensa um passeio pela Marginal até a Aver-o-Mar, o longe tornou-se perto.

  Abonemar foi povoado por D. Lourenço Alves da Cunha e seus descendentes.

  O que nunca me esqueci foi daquelas mulheres apanharem o sargaço mesmo com o mar revolto. Depois colocavam o sargaço em medas para secarem que, depois de secas, eram vendidos para adubo dos campos (diziam que a melhor cebola e batata da região eram de Aver-o-Mar).

  Neste meus temas dedicados à Póvoa já falei da Capela de S. André e da lenda que lhe está atribuída. Outro local de culto é a Igreja de Nª Sª das Neves, havendo já uma capelinha à Santa dedicada, no séc.XV.



  O Conjunto Típico Ala-Arriba, é a uma das referência dos cantares da gente de Aver-o-Mar.


Clicar na imagem para ligação à página do “Conjunto Ala-Arriba”

  Outra referência é o seu Rancho Folclórico fundado em 13 de Novembro de 1988.


Clicar na imagem

  O Grupo Cultural e Recreativo de Aver-o-Mar, tendo sido um dos fundadores o meu amigo Manuel Lopes


Actuação do G.C.R., vocalista Manuel Lopes - 1983 no antigo Salão Paroquial


Aqui com o Rancho Poveiro - 1983

  O Grupo Teatral do G.C. e Recreativo.




 ... e nestas fotos, com o Grupo de Teatro - A primeira foto é de 1974, as seguintes de 1983 (parece que neste momento não há actividade cultural digna desse nome. Se assim é, há que de novo lançar as redes e fazer de Aver-o-Mar um local onde a cultura seja uma realidade.)

  Foi em Aver-o-Mar que passei, num Restaurante junto à praia, um dos melhores aniversários da minha vida.

O meu agradecimento ao Manuel Lopes pelo envio das fotos, músicas, as letras das canções e demais apontamentos sobre a vida cultural de Aver-o-Mar.

6.1.09

Cantigas ao Menino

  Mais um Natal passado. Não à moda da minha Póvoa antiga, sentados no chão, mas sempre houve alguma coisa a recordar os tempos idos.

  Aqui está o “benjamim” da família aguardando que o pessoal se sentasse para se lançar ao bacalhau!


  Depois o jogo tradicional que não podia faltar, o quino (loto).


  Enquanto isso, na cozinha já o bacalhau estava a ser desfeito para a roupa-velha para ser comido no dia seguinte e os sapatos a serem colocados para a chegada do Menino Jesus.


  O abrir das prendas...



  ... E assim se passou mais um Natal.

  Como referi no tema anterior, os grupos de rapazes quando batiam à porta na noite de Consoada e à pergunta de um “Vai ou não vai”, a um “Vai” do dono da casa, eles entoavam loas ao Menino. Eis aqui mais algumas enviadas pelo meu irmão e pelo Manuel Lopes.

“ Ó da casa, nobre gente
Escutai um bocadinho
Uma cantiga bonita,
Que se canta ao Deus Menino

“ O Patrão desta casa,
Raminho de salsa crua,
Quando chega à janela
“Alumeia” toda a rua.

Era uma cabana velha,
De penhascos naturais,
Entrou lá Nossa Senhora,
São José e ninguém mais

A Virgem logo sentiu,
O seu parto milagroso,
Chamando com meiga voz,
- Vem cá meigo esposo!

Nasceu o Menino Deus,
Com prazer e alegria,
Ficando resplandecente,
Sua mãe, Virgem Maria !


 Se houvesse contrapartida do dono da casa logo o pessoal cantava não só as quadras no tema anterior descritas como:

“Viva o Senhor desta casa,
Casaquinho de veludo.
Meta a mão no seu bolsinho,
E bote p’ra cá um escudo.

Ó patrão desta casa,
Vá dar volta à salgadeira,
Vá ver se encontra toucinho,
Ou bocado de orelheira.

Se a criada não quiser ir,
Dê-lhe”c’um” pau “inté cair!
Se a faca não quiser cortar
Dê-lhe um fio no alguidar!


Fonte: http://varziano.blogs.sapo.pt/3886.html

  Do Manuel Lopes recebi estas quadras. Naturalmente que muitas das anteriores se entrecruzam com estas ou divergem num ponto ou noutro. Era assim e sempre foi assim. Pegava-se num mote e ia-se por ali sem olhar a uma ordem préconcebida. Cantava-se e alegrava-se as noites com estas "Cantigas ao Menino".


“DESCALCINHOS PELA LAMA”

Lá lá lá lá lá lá lá lá
Lá lá lá lá (bis)

Descalcinhos pela lama
Vamos todos a Belém
Adorar o Deus Menino
Que Nossa Senhora tem

Coro

Já é nascido o Deus Menino
Nós entoemos o nosso hino (bis)

As Janeiras não se cantam
Nem aos reis nem aos fidalgos
Canta-se aos lavradores
Que dão tijelas de caldo

Não queremos pão caldo
Que não queremos comer
Queremos chouriço, ou carne
E vinho para beber


“VIMOS DAR AS BOAS FESTAS”

Coro

Nós somos poveiros da Póvoa do Mar
E as Boas-Festas nós vimos dar
Dar as Boas-Festas alegres, ditosas
Menino Jesus nasceu entre rosas
……nasceu entre rosas

Ó senhor patrão da casa
Onde põe o seu chapéu
Ponha-o no meio da sala
Parece um anjo do céu

Viva a dona da casa
Raminho de salsa crua
Quando vem ao seu postigo
ilumina toda a rua



“ Pastores”

Ó da casa, nobre gente
Escutai um bocadinho
Uma cantiga bonita
Que se canta ao Deus menino

Coro
Pastores, pastores
Vamos todos a Belém
Adorar o Deus Menino
Que nossa Senhora tem (bis)

Ó senhor patrão da casa
Faz favor de desculpar
Mande-nos dar a esmola
Que temos muito que andar

Ó senhor patrão da casa
Dê a volta à salgadeira
E mande pelos seus criados
Um bocado de orelheira



Ao meu irmão e ao Manuel Lopes aquele abraço!